"O que fazemos na vida ecoa na eternidade"

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A Catedral [ análise ] SIMBOLISMO !

A Catedral
(Alphonsus Guimarães )

Entre brumas, ao longe, surge a aurora,
O hialino orvalho aos poucos se evapora,
Agoniza o arrebol.

A catedral ebúrnea do meu sonho
Aparece, na paz do céu risonho,
Toda branca de sol.

E o sino canta em lúgubres responsos:
Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!

O astro glorioso segue a eterna estrada.
Uma áurea seta lhe cintila em cada
Refulgente raio de luz.

A catedral ebúrnea do meu sonho,
Onde os meus olhos tão cansados ponho,
Recebe a benção de Jesus

E o sino clama em lúgubres responsos:
Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!

Por entre lírios lilases desce
A tarde esquiva: amargurada prece
Põe-se a lua a rezar.
O entardecer aumenta a agonia do poeta.

A catedral ebúrnea do meu sonho
Aparece na paz do céu tristonho,
Toda branca de luar.
E o sino chora em lúgubres responsos:
Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!

O céu é todo trevas: o vento uiva.
Do relâmpago a cabeleira ruiva
Vem açoitar o rosto meu.

E a catedral ebúrnea do meu sonho
Afunda-se no caos do céu medonho
Como um astro que já morreu.
E o sino geme em lúgubres responsos:
Pobre Alphonsus!Pobre Alphonsus!



ANÁLISE DO POEMA
A Catedral de Alphonsus Guimarães ,trata-se de um poema riquíssimo no que diz respeito as sugestões rítmicas e a seleção vocabular. O autor descreve bem a passagem de um dia completo: aurora, dia, anoitecer e noite fechada, o poeta descreve seus estados de alma, usando a musicalidade através das ações do sino que expressam seus sentimentos e sua ânsia de espiritualidade. Ele teve a preocupação de deixar o refrão, insistentemente marcado pelas ações do sino, traduzindo a angústia íntima do “poeta” à medida que o dia passa. É importante lembrar que estão presentes no texto, várias características simbolistas tais como: a musicalidade, o vago,o nebuloso, a espiritualidade simbolicamente representada pela catedral. Observa-se também que o ritmo da repetição característica do texto poética estão bem presentes haja vista que o seu efeito sonoros transcende as palavras e soa aos nossos ouvidos como um doce tocar da balada de um sino,que é percebido até mesmo numa leitura silenciosa,apesar da linguagem metafórica que esse faz presente , a marcação das silabas poéticas identifica a coincidência nos versos pares evidenciando-se nos versos 4,12,20,e 28 ;e sino canta em lúgubres responsos nos versos 7,23, e 31 , Pobre Alphonsus! Vemos também que o título do poema indica igreja e deixa-nos a expectativa de um ambiente completamente religioso e também mas na frente nos deparamos com palavras como céu ,canto,glorioso,benção,Jesus,clama,rezar e as duas que são repetidas 4 vezes catedral e sino.
A característica dos simbolistas foi seguida a risca nesse poema, vemos que há repetição de letras com predominância das consoantes “s” e “r” e quanto as vogais vemos que a letra “a” aparece muitas vezes e também a letra “e”.Pode-se dizer que a letra “s” corresponde a aliteração encontrada no texto levando em consideração que o título do poema nos sugere a ambientação de uma igreja ,que logo associamos a palavra SINO como vemos:”E o sino canta em lúgubres,responsos,”...E o sino clama...E o sino chora em...E o sino geme.O sino também pode ser considerado uma anáfora que é valorizada por ecoar ,é um poema composto por 3 versus e distribuídos em 4 partes feito em um ritmo singular O Alphonsus “catedral” representa o fruto do trabalho simbolista ,que reagia conta toda poesia anterior.É sabido que o simbolismo reage contra o cientificismo do parnasianismo e procura restaurar valores românticos varridos pelo realismo como o espiritualismo,o desejo de transcendência e interação com o universo o mistério,a religiosidade e a morte sem é claro cair na afetação sentimental romântica o sino, representaria o nosso coração ,pulando em nosso corpo o autor também deixa transparecer vestígios de situações vividas ,Guimaraens, tratou em seus versos de amor, morte e religiosidade. A morte de sua noiva Constança, em 1888, marcou profundamente sua vida e conseqüentemente sua obra contem um certo ar de tristeza .
A medida em que vamos lendo ,descobrimos que em Catedral ,nada está escrito por acaso,nas 3 primeiras estrofes os verbos estão no presente do indicativo e,apenas na última temos o verbo “morrer” pro pretérito perfeito denota-se ai todo o clima angustiante medonho,revelando o pavor que a maioria das pessoas tem da morte.O poema é encerado com o afeto de perplexidade revelada pela exclamação dirigida ao Pobre Alphonsus ! pobre Alphonsus ! é uma das características dele também se colocar como um pobre coitado.As palavras sonho e medonho :medonho,tem um sentido Constrangente em relação a palavra sonho que já teria uma idéia de momento maravilhoso. O autor cria ao rimar essas duas palavras uma situação marcada pela antítese. O poema simbolista é repleto de idéias que os nossos sentidos,1ª parte:Brumas ,canta, aurora,orvalho,evapora,arrebol,branca,sol .Na 2ª :astros ,áurea,clama,refulgente,raio de luz,benção,na 3ª:lírios lilases,tarde,chora,lua rezar luar, e na 4ª trevas,vento,relâmpago ,geme,açoitar o rosto meu. Observa-se que todas essas palavras ,fazem –nos sentir ,ouvir cheirar e ver toda a paisagem do cenário descrito pelo poeta,o nascer luminoso “infância” traz a sensação do perfume da natureza orvalhada e a sensação de luz o vigor da juventude e do aroma se acrescenta à da cor na terceira parte é de um crepúsculo e do som das badaladas de um sino que anuncia a morte de alguém.Esse é um poema que sugere-nos tristeza, refletindo bem a áurea dos simbolista .


TRABALHO DO PROF FILIPE 7° PERÍODO!!!
Reações:

4 comentários:

gladiadorcelest disse...

GOSTEI DA ANALISE QUERIDA ESCRITORA. ESTAVA PROCURANDO ALGO CONCERNENTE A ANALISES DE POEMAS SIMBOLISTAS, E ENCONTREI SEU BLOG. ABRAÇOS E MANTENHA O CONTATO.


CLAYTON QUIRINO ALUNO DE LETRAS DA UNIP. SANTOS / SP. gladiadorcelest@hotmail.com

Beatrice Oliveira disse...

Gostei muito da análise :D

Anônimo disse...

até que ta bom , só que a colagem dos textos ta esquisita.
não parece um texto, parece três ou quatro textos colados um em seguida do outro,
ideias se repetem,
não há definição de paragrafo,
e da para perceber bem que não foi você que criou esse texto, na verdade eu li tanto texto sobre esse poema que identifiquei a fonte dois dos textos.

e eu aposto que voce nem sabe do que se trata esse poema

Paloma disse...

Muito bom, gostei demais, essa analise me ajudou bastante...

Social Profiles

Twitter Facebook Google Plus LinkedIn RSS Feed Email Pinterest

Popular Posts

by: Tiago Iorc

E se tropeçar, do chão não vai passar. Quem sete vezes cai levanta oito 👊😘

Categories

BTemplates.com

Blogroll

07/06/09 apartir dai

About

��
Há sonhos que devem permanecer nas gavetas, nos cofre, trancados até o nosso fim.#HildaHilst

Copyright © __________________* | Powered by Blogger
Design by Lizard Themes | Blogger Theme by Lasantha - PremiumBloggerTemplates.com